18 de jun de 2016

RIO DE JANEIRO UM GOVERNO EM ESTADO DE CALAMIDADE

JUIZ MARCELO BRETAS DECRETA DE NOVO PRISÃO DE UM DOS MEMBROS DA
MAFIA DOS TRANSPORTES  FORAGIDO QUE RESOLVE SE ENTREGAR
 ASSOCIAÇÃO DOS PROCURADORES ENCAMINHA CARTA AO STF PEDINDO PARA "CONTER" O MINISTRO GILMAR QUE MANDOU SOLTAR PRESOS DA MÁFIA DE TRANSPORTES
PEZÃO COMEMORA UM ANO DE INCOMPETÊNCIA E ESTADO DE CALAMIDADE
CABRAL/PEZÃO/DORNELLES LEVARAM  O ESTADO DO RIO À COMPLETA FALÊNCIA
Rogério Onofre que estava foragido se reapresenta. O Ministro Gilmar Mendes mandou soltar nove presos da Máfia dos Transportes, inclusive o empresário Jacob Barata que domina as linhas de ônibus no Rio. Há pouco o juiz Marcelo Bretas decretou novamente mandar para a prisão Rogério Onofre do DETRO que teria feito ameaças de morte a outros presos, mas procurado para cumprir de novo ordem judicial não foi encontrado e agora é um foragido da justiça.  Os procuradores da República encaminharam documento ao Supremo Tribunal Federal para dar uma basta ao procedimento do ministro Gilmar considerado suspeito por  ter sistematicamente soltado presos da Lava Jato da Máfia dos Transportes ligados ao grupo de Sergio Cabral. Jacob Barata foi preso em flagrante quando tentava embarcar para Portugal . Mas a prisão dele e de seu grupo, todos ligados ao ex-governador foram presos  por ordem do Juiz Marcelo Bretas, mas Gilmar que foi padrinho de casamento da filha de Jacob Barata, diz não conhecer nenhum deles e mandou soltar sem nenhuma contestação. A soltura de um grupo considerado criminoso pelo Ministério Público causa surpresa a todos e mais parece uma briguinha pessoal que prejudica milhões e beneficia futuros delinquentes.
Luiz Fernando Pezão homem de confiança de Sérgio Cabral, preso há quase um ano, comemora com seus amigos "Um Ano de Calamidade". Foram 365 dias de sofrimento para o povo carioca e fluminense. O governador licenciado Luiz Fernando Pezão reassumiu a chefia do Estado após meses licenciado para tratamento médico. Uma série de medidas na ALERJ foram aprovadas para desespero da população e de funcionários estaduais que vão beneficiar somente a casta que está na Assembleia Legislativa e afundar de vez a sofrida população de um estado que já foi uma maravilha, mas que agora vive em extrema penúria. A culpa, para os governantes, seria da queda dos preços do barril de petróleo, mas manifestantes e a população sabem que a causa é outra.
foto Alcyr Cavalcanti aa rights reserved
O teleférico do Morro do Alemão está paralisado por culpa do Governo do Estado que não paga ao consórcio que administra o teleférico. O governo deve R$ 11 milhões e não tem dinheiro para pagar. A paralisação vai prejudicar milhares de pessoas que utilizavam para ter acesso às partes mais altas do morro, além de deixar desempregados mais de 150 pessoas que trabalhavam para o consórcio.
O governador licenciado Luiz Fernando Pezão em almoço festivo na FIRJAN afirmou ao empresariado carioca que não tem dinheiro para pagar salário de servidores. Enquanto isso milhares de servidores passam fome, não tem dinheiro para comprar alimentação nem remédio. Quais os culpados da situação de completa falência em que se encontra o Rio de Janeiro, que continua lindo, mas Fede?. Durante mais de uma década os caciques do PMDB rasparam os cofres de um estado que nadava em dinheiro. Cadê o dinheiro clamam os moradores do estado que tem uma das maiores reservas de petróleo do planeta.   Já existem pedidos de impeachment do Governador licenciado para tratamento de saúde Luiz Fernando Pezão na ALERJ. Policiais civis e bombeiros fizeram paralisação e protestaram em vários pontos da cidade contra o Governo Estadual, falta de recursos e atraso de pagamentos que só está preocupado com o sucesso da Olimpíadas e menospreza a população. Fernando Cavendish, amigo de fé do ex-governador Sergio Cabral esteve preso no Complexo de Gericinó (Bangu) à espera de tornozeleira eletrônica para cumprir pena em sua residencia. Falta dinheiro para comprar tornozeleiras.

 Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão e Francisco Dornelles são os principais responsáveis pela situação calamitosa em que se encontra o Estado do Rio de Janeiro, e seriam necessários muitos bilhões a mais do que o governo federal poderia emprestar. Para o jornalista Ricardo Boechat, em seu programa na Band News, os desmandos sucessivos dos governos do PMDB "São um Caso de Cadeia" que requerem uma solução imediata.  Há menos de 45 dias para a realização do "Sonho Olímpico" a cidade vive um pesadelo após as declarações do governador em exercício Francisco Dornelles que decretou com uma penada "Estado de Calamidade". Juristas acham a medida estranha e sem fundamentação legal, porque não tem acontecido (felizmente) desastres naturais que justificassem a medida, o que acontece de fato é um reconhecimento de péssimas administrações nos últimos anos, o mesmo grupo político governa com plenos poderes há mais de uma década.  De fato durante muitos anos um estado, que já foi próspero e faturava bilhões com exploração de petróleo e indústrias diversas chegou à falência absoluta por total imprevidência de seus últimos administradores e veio a se tornar uma Calamidade. O professor da PUC-Rio Manoel Peixinho critica o decreto, para ele pleno de vícios e o estado não tem competência para decretar um estado de sítio. O perigo é contratar sem licitação e tomar medidas excepcionais.
protestos são diários contra governantes
Calamitosos são o ex-governador Sérgio Cabral, seu dublê Luiz Fernando Pezão acometido por misteriosa doença e seu vice Francisco Dornelles que deveria há muito tempo estar gozando as benesses de uma aposentadoria milionária assumiu sem saber o que fazer, nem o que dizer aos milhões de cidadãos que trabalham de sol a sol (quando tem trabalho) e pagam seus extorsivos impostos religiosamente e agora também são ameaçados por uma enxurrada de multas, nem todas justificadas. O vetusto governador ameaça com "medidas duras", quando ao invés de ameaças deveria dar um pouco de esperança á população que está sempre sendo cobrada por um governo que não cumpre suas obrigações. A assistência hospitalar é calamitosa, segundo médicos de renome um verdadeiro genocídio, que atinge seletivamente os despossuídos.
A educação é uma piada de extremo mau gosto, com escolas fechadas por não possuírem  as mínimas condições de funcionamento, sem água, sem privadas, sem ar, sem salários para pagar a seus funcionários. As obras que foram prometidas como "um legado olímpico" estão sendo terminadas "a toque de caixa" e ameaçam a todos. Basta lembrar a queda da Ciclovia da Niemeyer e os buracos na pista do Elevado do Joá e agora o Metro que está ameaçado de não ficar pronto para os Jogos Olímpicos.  Quanto à segurança, simplesmente não existe. As UPP fracassaram em seu projeto, feito apenas para isolar algumas favelas em um cinturão cirúrgico, para proteger à ferro e fogo turistas incautos que continuam chegando para os mega eventos. O Estado do Rio de Janeiro tem (ou tinha) tudo para ser um paraíso tropical, pleno de belezas naturais, com uma natureza exuberante, com a Baia de Guanabara de praias lindíssimas embora muito poluídas e florestas em plena cidade, mas devido ao desrespeito oficializado  está se tornando um verdadeiro inferno astral.  
Postar um comentário

obras do pac

obras do pac
inicio de obras ao lado do ciep ayrton senna