29 de ago de 2016

IMPEACHMENT OU GOLPE ? AS PEDALADAS CONTINUAM POR DECRETO

 TEMER ADMITE QUE O IMPEACHMENT FOI VINGANÇA DE EDUARDO CUNHA
QUANDO SE PENSAVA QUE TUDO ESTARIA DEFINIDO COMEÇAM RECURSOS,  CONCHAVOS E PROTESTOS EM TODO PAÍS CONTRA DECISÃO,  AOS GRITOS DE "FORA TEMER"
O POVO FICA EM DÚVIDA SE ASSISTIU UM FILME DE TERROR OU A UMA COMÉDIA E PERGUNTA QUAL VAI SER A PRÓXIMA VÍTIMA?
Em entrevista para a TV Bandeirantes o presidente Temer admitiu publicamente o que todo mundo sabia, que o pedido de impeachment da presidente Dilma foi uma retaliação de Eduardo Cunha, ainda o "todo poderoso" da Câmara. Com centenas de cafés da manhã, milhares de almoços e  simples canetadas o "novo" governo de notáveis suspeitos até a raiz do cabelo vai se mantendo no cargo. Há meses atrás modificou a lei que pune Crimes de Responsabilidade. Alteração foi publicada sexta dia 02/09 no Diário Oficial da União para poder praticar "Pedaladas Fiscais". Recursos, casuísmos, interpretações confirme a conveniência de cada grupo. Não acabou ainda a "Novela Brasil" e ao que parece Eduardo Cunha parece ainda ditar as ordens e bancar o "Jogo de Cartas", em um baralho marcado. Enquanto isso milhares de pessoas tem se se reunido na Cinelândia para protestar contra decisão que cassou o mandato da presidente Dilma e da 'posse relâmpago" do presidente interino aos gritos de "Fora Temer". A presidente Dilma Vana Roussef foi cassada por 61 votos em uma "eleição indireta" ( e bota indireta nisso) por 61 votos, embora tenha sido eleita por mais de 54 milhões de eleitores. Filme de terror, comédia de costumes ou um tratamento para doentes mentais, ao estilo "O Estranho Caso do Doutor Alcatrão e do Professor Pena" de Edgar Allan Poe é a novela do "Impicha".

A sessão decisiva do julgamento da presidente começou em uma segunda feira com 40 minutos de atraso, estava marcada para começar às 9h continuou na terça com debates acalorados e hoje chegou ao seu final, com a cassação de uma mandato legitimamente eleito pelo povo com mais de 54 milhões de voto.  Entre as acusações, louvores e afirmações de inocência, a advogada Janaina Pascoal, como sempre visivelmente (ou aparentemente) transtornada, com esgares estranhos argumentou ao final de sua fala que estava pedindo desculpas à presidente, o que de fato é muito surreal, e pior "Peço que um dia ela entenda que eu fiz isso pensando nos netos dela". De fato é um manicômio geral como afirmou o mais "ilustre dos ilustres", o presidente Renan Calheiros.
  A presidente Dilma Vana Roussef  compareceu para sua defesa, na Casa que deveria nos representar, mas que é considerada por um de seus mais "ilustres" pares como um verdadeiro hospício e portanto não teriam condições de sanidade para julgar.  Cenas deprimentes tem invadido nossos lares devido à transmissão ao vivo e a cores de um julgamento que já parece decidido há algum tempo. Impeachment ou Golpe, as explicações são feitas e são fornecidas a quem quiser aceitar.
Protestos na Cinelândia
Desde sua reeleição a presidente fez, o que sutilmente os políticos chamam de arco de alianças, mas que no fundo é uma distribuição de benesses e de nosso dinheiro para poder governar e se manter no cargo, a qualquer preço. Seu governo não tinha nenhuma consistência ideológica nem base popular.

A atitude desesperada de pedir apoio a seu vice,  uma pessoa que só pensava em traição e sonhava com a cadeira, a faixa e a caneta para angariar apoio de um grupo que só pensa em benefício próprio e age como aquele deputado de programa humorístico que afirmava em relação aos despossuídos: " O Pobre que se Exploda".  O governo "democrático e popular" do partido que vencia eleições uma após outra foi se esvaindo ano após ano, foi minguando, se afastando de suas bases e se aproximando e fazendo acordos com o sistema financeiro.  Enquanto isso, o grupo sucessivamente derrotado nas eleições, em um eleitorado em parte despreparado, em parte totalmente alheio ao passado, ao presente e ao futuro fazia reuniões sucessivas "preparando o bote", para aniquilar o adversário.  Reformas estão sendo prometidas, mas ditadas por agiotas internacionais que só pensam em rapinar nossas últimas riquezas, só para citar uma das mais importantes, a  Previdência que é uma grande farsa, mais parece um Roubo do que o propalado Rombo que sucessivamente vai raspando o cofre dos aposentados. O projeto de uma melhor distribuição de riquezas para atenuar os conflitos deve ser deixado de lado, talvez por muitos e muitos anos.  Dias sombrios se avizinham, qualquer que seja o desfecho de uma novela, arrastada que mais se assemelha a uma tragédia do que uma farsa.

26 de ago de 2016

JORGE GUINLE, O DONO DA FESTA

JORGINHO GUINLE O ÚLTIMO PLAY BOY
                   "Vivi o que quis, quando eu quis"
                   "Nenhum Play Boy de hoje pode ser meu sucessor.
                    Todos tem um grave defeito: Eles trabalham"
                                                Jorge Guinle
Jorge Guinle se estivesse vivo iria fazer 100 anos muito bem vividos. Morreu em 2004 com 88 anos em seu "castelo" preferido, o Copacabana Palace, onde passou a maior parte de sua vida. Suas festas pareciam não ter   fim.
Jorginho rodeado de amigos photo Alcyr Cavalcanti all rights reserved
Foi o último Play Boy em uma época de muito glamour que não volta mais. Jorginho se gabava de nunca haver trabalhado, amante do jazz, se dizia marxista-leninista e acreditava em uma melhor distribuição de riquezas, talvez onde todos em um Nirvana tropical, em vez de cachaça Amansa Corno beberiam Moet et Chandon acompanhada do caviar iraniano Almas.
Jorge e seu filho Jorge Eduardo Photo by Alcyr Cavalcanti all rights reserved
Jorginho passou a vida entre Rio, Paris e Nova York. Teve muitas e muitas namoradas, apesar de ter pouco mais de 1,60m de altura, o que não o impediu de conquistar algumas das mais belas mulheres do mundo, como Ava Gardner,  Heddy Lamarr, Jayne Mansfield, Romy Schneider, Kim Novak  e outras menos famosas. Foi casado com Dolores Sherwood Bosshard com quem teve Jorge Eduardo artista plástico já falecido, depois com Ionita Salles Pinto, locomotiva das noites cariocas que teve Georgiana, e sua terceira esposa foi Maria Helena que lhe deu um filho Gabriel. Embora cruzasse com ele nas noites cariocas, nunca havíamos conversado, eu sempre procurei manter relações profissionais para poder executar da melhor forma minha tarefa. Apresentado ao Jorge Guinle formalmente pelo João Resende, marido da Hildegard Angel com quem trabalhei durante anos Jorginho resolveu falar que estava um pouco entediado com tantas festas e que gostava mesmo era de ir para Teresópolis com um grupo restrito de amigos para saborear um bom whisky ao som de um autêntico  jazz. Aí de fato se sentiria muito feliz, mas a invasão de pessoas nem tanto de seu grupo de amigos verdadeiros, a maioria analfabetos musicais (segundo sua visão) o deixavam entristecido e já pensava em se desfazer de sua bela casa de Teresópolis. Havia também um fator preponderante, quando emprestava a casa as coisas estavam sempre fora do lugar e nem sempre em perfeito estado.
Beth Winston photo Alcyr Cavalcanti all rights reserved

 Teve muitas namoradas no Brasil, entre outras Marta Rocha, Tania Caldas e Beth Winston com  quem teve uma relação atribulada. Sua amizade com músicos de jazz levou-o a escrever "Jazz Panorama" em 1953, para muitos críticos uma obra completa. Escreveu também "Um Século de Boa Vida" em 1997. Era um gentleman, extremamente bem educado e com ótimo relacionamento, deixou várias pessoas amigas na sociedade brasileira.
Jorginho e Carmen Mayrink photo by Alcyr Cavalcanti all rights reserved
Acometido por um aneurisma foi internado em estado grave, mas pediu para passar seus últimos momentos no lugar que mais amava, o Copacabana Palace. Antes de partir pediu para tomar um chá inglês e que colocassem um disco de saxofonista e compositor norte americano John Coltrane.
Com Dolores e Teresa de Souza Campos photo by Alcyr Cavalcanti rights reserved
 

24 de ago de 2016

FOTÓGRAFO CULPADO POR LEVAR TIRO NO OLHO E FICAR CEGO

FOTOJORNALISTA CONSIDERADO CULPADO POR TER EXERCIDO SUA FUNÇÃO
SERGIO TEVE "CULPA EXCLUSIVA DA PRÓPRIA CEGUEIRA"
Pela segunda vez, em menos de dois anos o repórter fotográfico Sergio Silva foi considerado culpado por simplesmente ter exercido sua função de registrar situações sociais através de imagens. Foi atingido por no olho esquerdo por projétil de borracha por um agente da Policia Militar do Estado de São Paulo durante as manifestações de protesto contra o aumento de passagens em transporte público em 2013. O traumatismo causou fratura da órbita e afetou sua visão, órgão essencial para o exercício de sua atividade funcional. As autoridades continuam a denominar esse tipo de armamento como "não letal", embora tenha havido vítimas fatais e deveria ser considerado como "de baixa letalidade" conforme recomendação da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, conforme audiência publica em São Paulo em 2013 em Seminário sobre "Violência Contra Jornalistas e Comunicadores"  do qual participei em um Grupo de Trabalho representando a Associação Brasileira de Imprensa.
Sergio Silva
Em 26/09/2014 o desembargador Vicente de Abreu Amadei absolveu o Estado de qualquer responsabilidade pelo "tiro não letal" que acabou com a visão do olho esquerdo do fotojornalista Alex Silveira que cobria uma manifestação de professores na Avenida Paulista em 18/07/2000.  Em agosto foi a vez de Sergio Silva ter tido sua condenação assinada pelo juiz de primeira instancia Olavo Zampol Junior. Foi condenado por ter "culpa exclusiva " pela própria cegueira. Sergio, assim como muitos profissionais estavam registrando os protestos no Centro de São Paulo contra aumento abusivo de tarifas de transporte. 
 Sergio Silva declarou "Antes de ser o fotógrafo que perdeu o olho sou um ser humano mutilado pela Policia Militar. O órgão que perdi não era essencial apenas para minha profissão: Era essencial para minha vida. A decisão é mais uma demonstração que o Estado defende apenas seus próprios interesses _ e de que esses interesses definitivamente não são os mesmos interesses da cidadania. O que fazer diante de tamanha injustiça?" declarou Sergio.
A truculência  policial durante as manifestações de protesto nas principais capitais do país, principalmente em São Paulo e no Rio de Janeiro tem mostrado nitidamente um despreparo policial que pode levar a uma escalada de violência a níveis intoleráveis. Jornalistas e comunicadores tem sido ameaçados pelo aparato repressivo durante manifestações populares, embora estejam somente cumprindo a tarefa de informar. Causa surpresa que um Estado que se diz "democrático e de direito" fique agindo como nos tempos da ditadura, onde tudo era proibido, principalmente o direito à informação, um dos pilares da democracia. É inadmissível que profissionais em seu legítimo direito tenham sido vitimados pelos excessos do aparato repressivo que só sabe agir em situações de conflito partindo para o confronto, com máquina de guerra  e usando força desproporcional contra cidadãos desarmados.
 
 

21 de ago de 2016

O "SONHO OLÍMPICO" ACABOU EM BAILE DE CARNAVAL

ACABOU O CARNAVAL FORA DE ÉPOCA AO SOM DE "CIDADE MARAVILHOSA"
NOSSOS ATLETAS FORAM VERDADEIROS HERÓIS AO SUPERAR BARREIRAS
PARA O MINISTRO DO ESPORTE A META DE FICAR ENTRE OS DEZ NÃO FOI DELE
E O LEGADO OLÍMPICO PROMETIDO ?
Os Jogos Olímpicos versão 2016 chegaram ao fim, mas chegou a seu final em um grande baile de carnaval ao som de "Cidade Maravilhosa" que fez lembrar os grandes bailes do Copacabana Palace e do Teatro Municipal. Mas a quarta feira de cinzas chegou, em uma segunda feira de agosto de 2016.  Uma pergunta fica no ar: "Qual será nosso Legado Olímpico". Para o ministro Leonardo Picianni houve um avanço significativo e a meta de ficar entre os dez primeiros não foi dele, nem de seu ministério. No quesito puramente esportivo fizemos o de sempre, com poucas medalhas em relação ao que deveríamos ter conseguido, se houvesse um melhor planejamento. Para um país com dimensões continentais e uma população de mais de 200 milhões de pessoas o Brasil teria a obrigação de ficar entre os sete primeiros, mas isso se houvesse maior atenção á importância do esporte como formação não só de atletas competidores, mas também como projeto de cidadania. Sete medalhas de ouro, se por um lado foi um recorde, por outro vem mostrar o pouco caso ao esporte como projeto de nação. O programa de incentivo ao esporte a nível nacional desenvolvido pelas Forças Armadas ainda é tímido, embora quase 80% das medalhas tenham sido conseguidas graças ao Projeto. Se não fosse ele seria uma vergonha, um vexame tamanho família. Os governantes teriam de ter consciência (o que é difícil) e tomar como norma a frase de Nelson Rodrigues com adaptações, o Brasil passaria a ser a pátria de chuteiras, de sunga de natação, de luvas de box, dos remos das canoas e por aí. Muitas medalhas foram conseguidas com esforços individuais e/ou genialidade dos atletas para citar somente dois Isaquias da canoagem e Neymar do futebol. Haverá necessidade de um projeto abrangente e de massa para começar na escola pública e com proteção (e verba) governamental prosseguindo nas universidades. Aí sim teremos centenas, milhares de atletas subindo ao pódio ao som do hino nacional. Foi de fato uma grande festa dentro e fora das arenas, em toda a cidade o que aconteceu foi uma grande folia, mas com os dias contados. Vamos cultuar nossos heróis das medalhas graças aos seus esforços e incrível superação, eles merecem a glória.
 
Os responsáveis pela Rio 2016 deveriam, mas não tomaram o exemplo de Londres que de fracassos anteriores chegou ao alto do pódio inúmeras vezes desbancando países favoritos e conseguindo ser superada somente pelos Estados Unidos, os britânicos tiveram 27 medalhas de ouro. Deveríamos também seguir o exemplo da Rússia que punida com excessivo rigor, de fato um rigor meramente político digno da "Guerra Fria" conseguiu superar as adversidades e conseguiu um muito honroso quarto lugar, digno de suas melhores tradições em um total de 56 medalhas sendo 19 de ouro para tristeza do Comitê Organizador. O Rio de Janeiro foi assolado por uma infinidade de obras ao custo quase infinito, feitas como diria o escritor britânico Misha Glenny "Para Inglês Ver", ou seja para turistas e não para a imensa população da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, que junto com o Cristo Redentor conseguiu levar com beleza e mesmo com muita leveza Jogos Olímpicos que na prática temos de nos orgulhar, dentro daquilo que foi proposto, um grande espetáculo. 
 Museu do Amanhã
O Rio de Janeiro vai continuar lindo, mas nossa segurança, nossos hospitais, nossas escolas, nosso transporte, nossas moradias, como vão ficar, será que vão ficar ainda pior, para seguir ao pé da letra a máxima: "Pior Que Está Pode Ficar". A pergunta no início da crônica quem deverá responder são os organizadores e responsáveis pela belíssima festa, mas que, infelizmente só durou quinze dias e acabou em um domingo chuvoso, pois até São Pedro e os deuses do tempo derramaram lágrimas pelo fim de festa, da mesma forma que o ursinho Misha chorou em Moscou pelo final de sua Olimpíada. Afinal qual será nosso legado, ´será apenas um legado simbólico?
Terminou o "Sonho Olímpico" e já começou a campanha eleitoral que vai nos colocar em uma triste realidade. E como diria o poeta Vinicius "Tristezas não tem Fim, Felicidade Sim". 

20 de ago de 2016

O FAVELA TOUR NÃO ACONTECEU

 FAVELAS COMO PONTOS TURÍSTICOS FICARAM FORA DO ROTEIRO
QUEREMOS UM LEGADO PARA TODOS QUE HABITAM NA MUI NOBRE CIDADE DE SÃO SEBASTIÃO DO RIO DE JANEIRO
As tradicionais visitas ás favelas cariocas ficaram fora do roteiro daqueles que vieram ao Rio de Janeiro e desejavam conhecer algo fora dos roteiros oficiais e poder verificar in loco uma parte real da Cidade Maravilhosa. O passeio era uma das fontes de renda dos moradores das inúmeras localidades que os estrangeiros sempre tiveram vontade de conhecer, seus costumes, sua cultura, suas soluções para o problema de moradia, sua comida e suas bebidas muito diferentes de outros países, além de uma troca de conhecimento entre culturas diferentes. A Rocinha, assim como o Vidigal na Zona Sul da cidade e o Morro da Providência, primeira delas bem no Centro da Cidade sempre fizeram parte dos roteiros off Cristo Redentor e Pão de Açúcar. Mesmo o Santa Marta que foi a primeira localidade com UPP não foi incluída na programação oficial. Somente turistas curiosos é que resolveram percorrer algumas localidades por conta própria.
Rocinha
A maioria delas tem uma vista privilegiada de vários pontos da cidade, e sempre exerceram um fascínio pela diversidade, A recomendação, quase uma ordem vem trazer á tona um preconceito solidamente arraigado que foi minuciosamente analisado na obra seminal da antropóloga norte americana Janice Perlman  "O Mito da Marginalidade" escrita nos anos setenta, mas que permanece bem atual. A incapacidade ou mesmo falta de interesse em promover melhorias efetivas nestes mais de 950 conglomerados chamados favelas tem levado a um distanciamento cada vez maior entre favela e asfalto, tornando a cidade totalmente fragmentada, com feudos e territórios ocupados onde o Estado não entra, ou só entra em época de eleições. A propaganda enganosa do  Programa de Aceleração do Crescimento-PAC que teve lançados o PAC-2 e o PAC-3 sem sequer terem sido concluídas as obras do programa inicial o PAC-1 vem mostrar a total falta de planejamento e irresponsabilidade de nossos governantes em todos os níveis, federal, estadual e municipal. A política de segurança de nosso estado, que veio unicamente para isolar as localidades dos bairros, considerando certas regiões como "Zonas Vermelhas" teve na prática um "cinturão cirúrgico de segurança" para transmitir aos milhões de turistas que tem nos visitado uma falsa impressão e também esconder os inúmeros problemas seculares que assolam quase um terço da população da cidade. O Projeto das  UPPS está chegando ao seu ponto final, mas não veio acompanhado de um projeto social, e de melhorias das condições de vida dos moradores, que se sentem intimidados pela ocupação militar, principalmente pelos inúmeros casos de violações de direitos fundamentais, mormente depois do "Caso Amarildo" e da  enxurrada de denúncias de práticas de tortura por parte de agentes que vieram para pacificar. O Rio é uma cidade plena de contrastes e confrontos, como diria o ´poeta "maravilha da beleza e do caos", e neste sentido é que os vários "Favela Tour" não foram feitos, e totalmente banidos da programação oficial, que preferiu mostrar as magníficas obras feitas a peso de ouro, como o Boulevard Olímpico, a Nova Cinelândia com o VLT ou o futurista Museu do Amanhã, um museu quase ao lado de um outro museu, o MAR.
Museu do Amanhã
A cidade do Rio de Janeiro parece em dias atuais ser feita para turistas, em detrimento de uma imensa população que vive atormentada pelos problemas do dia a dia e luta diuturnamente para um trabalho, cada vez mais difícil de conseguir. A proteção feita por agentes de todas as forças é necessário, afinal os convidados precisam ser protegidos, mas precisamos, nós os nativos de proteção no dia a dia, no direito inalienável de ir e vir, de poder sair livremente e sem sobressaltos a qualquer hora do dia ou da noite e chegar em nossos lares felizes pelo lazer proporcionado. Neste sentido é preciso uma profunda reformulação no chamado "Legado Olímpico" para que haja uma ampla modificação e profunda melhoria em todos os sentidos, em toda Cidade Maravilhosa e não somente nos pontos turísticos que forma criados para receber os milhões de estrangeiros que nos visitam.  

14 de ago de 2016

ATLETAS BRASILEIROS CONSEGUEM SETE MEDALHAS DE OURO

ISAQUIAS QUEIROZ CONSEGUE MAIS UMA MEDALHA NA CANOAGEM 
ATLETAS OLÍMPICOS CONSEGUEM SUBIR AO PÓDIO E FAZEM ESQUECER ATUAÇÃO PÍFIA NOS PRIMEIROS DIAS DE COMPETIÇÃO
MARTINE GRAEL E  KAHENA KUNZE NA VELA  E A DUPLA MASCULINA DE VOLEI DE PRAIA ALISSON E BRUNO FATURAM OURO OLÍMPICO
A MAIOR FESTA TEM SIDO FORA DOS ESTÁDIOS
Com as medalhas de ouro no futebol olímpico e no vôlei de quadra o Brasil conseguiu faturar sete ouros, o que mostra uma leve ascensão. No futebol foi a primeira vez em vários Jogos Olímpicos que o Brasil conseguiu subir no mais alto do pódio.  O atleta da canoagem Isaquias Queiroz conseguiu o incrível feito de ganhar mais uma medalha nos Jogos de 2016. Até agora o remador conseguiu três medalhas, sendo duas de prata e uma de bronze em uma única competição em um esporte quase desconhecido no Brasil. Dia 18 de agosto de 2016 uma quinta feira vai ser um dia que ficará na memória de nosso esporte. Duas medalhas de ouro na vela e no vôlei de praia fizeram o Brasil subir no ranking de medalhas e chegar  próximo á meta apregoada pelo COB de ficar entre os dez primeiros.  Os Jogos Olímpicos em sua edição 2016 no Rio de Janeiro tem sido uma grande festa, para o público que tem comparecido até as arenas, e locais montados para entretenimento daqueles que não estão nos muitos locais de competição. Mas para aqueles que foram torcer para nossos atletas na esperança de poder ver brasileiros no pódio como vencedores na primeira semana tiveram  uma decepção. A partir de segunda 15 de agosto voltamos a subir ao pódio e tivemos a honra de ouvir nosso hino transmitido para bilhões de pessoas em todo o mundo. Na quinta a água fez nossa festa com as velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze na Classe 49 FX e fizeram a festa na praia e foram carregadas em triunfo por uma multidão em delírio. Martine é herdeira de uma família vitoriosa, filha de Torben e sobrinha de Lars Grael campeões olímpicos. Na praia a dupla brasileira Alisson e Bruno também conquistou o ouro olímpico. Conseguimos medalhas, graças principalmente ao esforço de atletas que fazem parte de um Projeto das Forças Armadas e um primeiro ouro olímpico de um boxeador, Robson Conceição que superou vários favoritos.  Por um milagre e muito, mas muito suor e superação de barreiras de todo o tipo, Diego Hipólito e Artur Norito subiram ao pódio, em segundo e terceiro lugar para faturar uma de prata e uma de bronze para dar um pouco de dignidade à equipe brasileira. Diego é um vencedor, depois de cair literalmente em Olimpíada anterior, quando era franco favorito, lutou contra tudo e contra todos e principalmente contra si mesmo, dedicou sua vida treinando até a exaustão e fez uma exibição primorosa, para conseguir a tão sonhada medalha de prata.
 
A meta a ser atingida pela nossa equipe olímpica era chegar entre os 10 melhores, como apregoaram a dupla Nuzman/Paes, mas pelo visto se conseguirmos ficar entre os quinze vai ser lucro. Em Pequim conseguimos 15 medalhas, em Londres 17 medalhas ao todo e se conseguirmos em nossa casa igualar o feito de Pequim vai ser uma festa. Até agora só conseguimos quatro medalhinhas e ficamos em vigésimo segundo lugar.  A natação e mesmo o judô não tiveram o desempenho esperado. A pouca atenção das autoridades, em especial de um ministério dedicado ao esporte é nenhuma. As medalhas  conseguidas por nossos atletas são frutos de seus esforços individuais e não de uma política de governo em massificar os diferentes esportes, principalmente aqueles que passaram a fazer parte de  nossa cultura. 
Mo Farah bi campeão nos 10 mil metros
É admirável ver medalhas serem colocadas no peito de atletas que representam países que vivem em permanente situações de conflito, vitimados por guerras ou atentados. O Brasil vive uma grave crise institucional, mas há alguns poucos anos atrás tudo caminhava às mil maravilhas, pelo menos aparentemente e o esporte sempre foi deixado em segundo plano, a serviço somente de interesses eleitoreiros individuais. Sucessivos presidentes e ministros quase nada fizeram para colocar o Brasil entre os dez primeiros no esporte global, como apregoaram indevidamente em mais uma propaganda enganosa.
Chama Olímpica na Candelária
A realidade é dura e a Rio 2016 vai servir somente como uma grande festa, um grande carnaval fora de época para esquecer as dificuldades e agruras que enfrentamos e vamos ainda enfrentar por algum tempo, A Rio 2016 foi feita como um grande negócio, e a eles pouco importa se o país anfitrião seja um grande vencedor dos Jogos Olímpicos. A eles só interessa o lucro, a qualquer custo.

13 de ago de 2016

RIO 2016:O LADO BOM DOS JOGOS, "UM SONHO OLÍMPICO"

" O Rio de Janeiro continua lindo, o Rio de Janeiro continua sendo"
                                                   Gilberto Gil
OBRAS SUPERFATURADAS LANÇAM SUSPEITAS SOBRE O LEGADO OLÍMPICO 
O "SONHO OLÍMPICO" VALEU O ESFORÇO SOBREHUMANO DOS ATLETAS PARA OLÍMPICOS
VAMOS ESQUECER A POLUIÇÃO QUE JÁ DURA MAIS DE 450 ANOS
PORQUE DAQUI A POUCO VAI ACABAR A DOCE ILUSÃO OLÍMPICA
Obras superfaturadas, com secretário de obras preso sob acusação de desvio milionário de verbas lança suspeitas e decepção sobre o legado olímpico. A Olimpíada da Superação emocionou a todos nós. Vencendo todas as dificuldades os atletas paraolímpicos quebram preconceitos, quebram regras, quebram marcas e quebram o desanimo e o desencanto dos milhões de brasileiros. Mas falta pouco, muito pouco para os Jogos Paraolímpicos da Superação terminarem. Vamos celebrar e muito os nossos heróis que enchem o peito de medalhas e honram nossa bandeira. O Rio de Janeiro continua lindo, como dizia o poeta, apesar da miséria escondida por detrás dos tapumes e das barreiras impostas pelos organizadores. Os atletas mais esforçados do planeta vem aí, para superar todas as dificuldades e agruras da vida em uma Para Olimpíada.  Serão alguns dias de festa, faltam algumas horas para o sonho recomeçar, vamos então aproveitar o que a cidade tem de melhor, suas belezas naturais e porque não, suas belezas artificiais. Vamos aproveitar a manhã mesmo com chuva, o final da tarde e a suave noite, andar pelo calçadão, apreciar a paisagem espetacular, as atletas de verão, e dar um mergulho em suas dezenas de praias, mas escolhendo com cuidado as que sobraram e ficaram próprias para o banho de mar tendo o cuidado de evitar as valas negras e os esgotos in natura.  
Copacabana princesinha do mar
O Centro da cidade ficou totalmente modificado com uma série de obras com o slogan "Porto Maravilha" e com a Nova Avenida Rio Branco com a Cinelândia que se tornou um grande e belo passeio público. O Veículo Leve Sobre Trilhos-VLT é uma atração à parte na nova Avenida Rio Branco e quem deseja ir da Rodoviária até o Aeroporto Santos Dumont.
O VLT e a Nova Rio Branco
A Praça XV depois de obras que atormentaram o carioca virou uma enorme área de lazer, ou se preferirem um "Boulevard Olímpico" com um calçadão desde a Candelária até quase o Aeroporto. 
Chama Olímpica e Igreja da Candelária
Mas nem tudo é perfeito, pelo menos enquanto estivermos no Terceiro Planeta, os que detém a exclusividade de explorar comercialmente o que puder ser consumido na imensa área vão obrigar as pessoas a utilizar os quiosques exclusivos, o  que de fato é lamentável. Basta dizer que se a pessoa quiser beber uma simples cervejinha ou um refrigerante e não quiser enfrentar as filas dos "Food Trucks" vai ter de dar uma enorme volta para ir até um dos inúmeros botequins ou restaurantes do entorno da Praça XV. Mas isso são coisas da Rio 2016 e do Comitê Olímpico, que só pensa naquilo $$$$. Mas faltam apenas poucas horas para terminar o "Sonho Olímpico", vamos esquecer a performance pífia do Brasil nas arenas olímpicas e torcer para nossos dirigentes ter um pouco de consciência e fazer uma preparação honesta de nossos atletas para conseguirmos o tão sonhado Ouro Olímpico, que ainda está muito distante e só foi conseguido graças a esforços individuais e fortuitos. 
  
 

5 de ago de 2016

OLIMPÍADA COM FORTE ESQUEMA DE SEGURANÇA NÃO IMPEDE QUE MILITARES DA FORÇA NACIONAL SEJAM METRALHADOS

AUTORIDADES AVALIAM COMO "MUITO BOA" A SEGURANÇA NOS JOGOS AGENTES DA FORÇA NACIONAL SÃO BALEADOS EM UMA FAVELA CARIOCA EM PLENA LUZ DO DIA
RAUL JUNGMANN AFIRMA QUE AGENTES ERRARAM AO ENTRAR NA FAVELA
SEGURANÇA JAMAIS VISTA NO RIO DE JANEIRO ITAMARATY CERCADO
PROTESTOS SÃO REPRIMIDOS PRÓXIMOS AO MARACANÃ
Em reunião para avaliar os últimos episódios de violência ocorridos na cidade olímpica o Ministro da Justiça e demais autoridades avaliam como muito boa a segurança na cidade. O ataque aos militares da Força Nacional e o ataque ao ônibus com jornalistas foram classificados como "fatos isolados" e não vão exigir medidas especiais. O agentes da Força Nacional foram metralhados em uma das favelas da Zona Norte da cidade ao entrarem por engano na Vila do João, uma das favelas do Complexo da Maré, próxima à Linha Vermelha e à Avenida Brasil, vias de acesso da maior importância para o acesso ao Galeão e à Zona Oeste. O Ministro da Defesa declarou que os militares erraram ao entrar na Vila do João, mas esqueceu de dizer que não foram advertidos do perigo de certas regiões da cidade, em especial as principais vias de acesso e que não existem placas indicativas nem orientação necessária para impedir que pessoas sejam atingidas inadvertidamente. Ao errarem uma das entradas foram parar dentro da Vila do João, então  traficantes atiraram em cima da viatura, um dos militares levou um tiro de fuzil na cabeça e está sendo operado e corre risco de vida, o outro teve também  ferimentos, mas está passando bem.  Com milhares de agentes da Força Nacional, Exército, Marinha, Aeronáutica, Policias Federal, Militar e Civil e com apoio da Guarda Municipal e serviços de segurança de vários países começaram os Jogos Olímpicos de 2016.  O Ministro da Defesa Raul Jungmann disse estar satisfeito com os resultados obtidos até agora, mas que vamos continuar bem alertas frente a possíveis ameaças.  O Palácio do Itamaraty ficou com uma proteção jamais vista com ruas isoladas desde a Central do Brasil com centenas de agentes de segurança com apoio de blindados e helicópteros para proteger mais de 40 chefes de estado e seus representantes que foram recebidos pelo Ministério das Relações Exteriores e pela Presidência da República, o Interino Michel Temer. Uma parte da Avenida Presidente Vargas também foi interditada. O Ministro José Serra das Relações Exteriores teve encontro com o Secretário de Estado John Kerry para melhoria de relações comerciais. François Hollande da França veio para tentar levar os Jogos Olímpicos de 2024 para seu país.  Kerry chegou bem antes do início da recepção aos chefes de estado às 15h e conversou reservadamente com o ministro Serra, pedindo para interferir em uma solução para um referendo na Venezuela. Os Estados Unidos fazem forte oposição ao governo venezuelano, em especial a Nicolas Maduro sucessor e seguidor da ´"Revolução Bolivariana" do presidente falecido Hugo Chavez.
 
 
Manifestantes que fizeram protesto contra o presidente interino Michel Temer, e contra os governo estadual e seu governador interino Francisco Dornelles e o prefeito Eduardo Paes na Praça Afonso Pena na Tijuca foram reprimidos com violência, bombas de gás e jatos d'agua foram dirigidos contra manifestantes, a maior parte estudantes e professores com salários atrasados e péssimas condições nas escolas e universidades estaduais e federais.
manifestantes protestam na tijuca
Eles tentaram se dirigir até o Maracanã mas foram impedidos por forte esquema de segurança.   A Estação Afonso Pena do Metro também foi fechada para evitar depredações.

1 de ago de 2016

OS JOGOS DA EXCLUSÃO UMA JORNADA DE LUTAS

RIO 2016: JOGOS DA EXCLUSÃO COMEÇARAM COM VIGÍLIA PELA DIGNIDADE
DENUNCIAS DE VIOLAÇÕES DE DIREITOS E DE PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS
Protestos contra os Jogos Olímpicos tiveram começo na segunda feira desde ás 17h na Cinelândia e vão continuar no Largo de São Francisco e terão várias atividades culminando dia 05 de agosto na Praça Saens Peña na Tijuca próximo ao Maracanã. Para os organizadores o abismo da desigualdade se aprofunda, e a repressão aumenta como também a luta dos despossuídos deveria aumentar.  Os organizadores vão denunciar os responsáveis pelos Jogos Olímpicos, em especial o prefeito Eduardo Paes, o governador Luiz Pezão e o Governo Federal que tiveram uma oportunidade de resolver, ou pelo menos atenuar os inúmeros problemas que atormentam a população da cidade que já foi maravilhosa e que vive ameaçada por assaltantes, remoções em áreas mais diversas, falta de urbanização, e principalmente a degradação da Baia de Guanabara tornada pela incúria dos governantes em um esgoto só.
 
A competição olímpica vai ser exclusividade de uma minoria, visto que os preços são inacessíveis à "turma do salário mínimo" e dos muitos sem nenhum meio de sobrevivência.  A Jornada vai continuar no prédio do IFCS no Largo de São Francisco Atletas e usuários dos equipamentos esportivos fechados e sucateados da chamada Cidade Olímpica farão uma caminhada até o Centro da cidade. No dia da abertura dos Jogos os protestos terão inicio com uma concentração na Praça Saens Peña ás 15h e se dirigirão para o Maracanã e outros locais.

obras do pac

obras do pac
inicio de obras ao lado do ciep ayrton senna