2 de mar de 2017

O DIA EM QUE O SAMBA DESAFINOU EO SAMBÓDROMO FICOU TRISTE

UM CARNAVAL PARA TODO MUNDO BOTAR DEFEITO. EM VEZ DA ALEGRIA TRISTEZA E LAMENTAÇÕES
                   Super Escolas de Samba S/A
                   Super alegorias           
                   Escondendo gente bamba
                   Que covardia
                   Samba de Beto Sem Braço e Aloisio Machado do Império Serrano
DESFILE DAS CAMPEÃS MANCHADO PELA DESORDEM DOS DESFILES DE DOMINGO E SEGUNDA
O tradicional Desfile das Campeãs que sempre foi uma grande festa no encerramento da Folia, este ano vai estar manchado pela desorganização dos desfiles no Sambódromo que deixaram um rastro de tristeza desagradando a todos.  Este ano não foi igual aquele que passou, foi muito pior, foi ao ano em que o Samba desafinou. O Desfile das Escolas de Samba do Grupo Especial, a chamada Elite do Samba foi um festival de horrores digno de um filme da "Hammer Films", produtora britânica especializada no gênero que imortalizou o ator Cristopher Lee no papel do Conde Drácula. Nós brasileiros temos nosso Vampiro Mor, em Brasília também celebrado pelo The Guardian como um dirigente político "gótico". No Carnaval carioca a inhaca a zika o azareba tomaram conta da folia, em vez da alegria espontânea dos verdadeiros sambistas. Há mais de uma década que o Carnaval deixou de ser o Reinado da Folia para se transformar no Reinado do Capital onde a grana prevalece e os autênticos sambistas e foliões ficam de fora "batendo palma pra maluco dançar" e as Super Alegorias desfilam para as luzes da TV.
foto Alcyr Cavalcanti all rights reserved
 
 Foi o que aconteceu no ano da graça de 2017, para coroar a série de desditas que assolam o Brasil, em especial a bela cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Carros alegóricos desgovernados que funcionam como carros de combate atacando a tudo e a todos, correria desenfreada em vez da lenta e bela evolução dos passistas e do casal mestre sala e porta bandeira se assemelhando a um ballet clássico ao som de sambas de enredo que mais pareciam o "Samba do Crioulo Doido" do genial Stanislaw Ponte Preta. As cenas que milhares de pessoas presenciaram ao vivo e que a emissora detentora dos direitos exclusivos de transmissão mostrou ao vivo e a cores e também com repórteres afoitos que na maior parte das vezes atrapalhavam mais do que esclareciam deixou os telespectadores assustados com o primor de desorganização.
No meio dessa confusão, de um caos desorganizado, ao contrario do que milhões de pessoas esperavam felizmente aconteceu um raio de esperança, no fim de um túnel muito escuro. Umas poucas agremiações como a Portela, Mocidade, Império Serrano, Viradouro e mais uma duas ou três conseguiram salvar o Carnaval e também apresentar suas escolas com dignidade para milhares de pessoas que pagaram milhares de reais para encher os cofres dos organizadores.
Todos esperam que as cenas lamentáveis que deixaram um rastro não de alegria mas de muita tristeza com mais de trinta feridos, alguns em estado grave sejam totalmente apuradas e os culpados não fiquem impunes.  Exigimos providências imediatas e punição rigorosa para os culpados  pela tragédia, para que essas cenas de horror nunca mais tornem a se repetir. Afinal no Carnaval somente devem acontecer dias de intensa alegria, para fazer o povão esquecer a imensa tristeza a que tem sido submetidos milhões de fluminenses com seguidos anos de sofrimento causado por governantes inescrupulosos que afundaram nosso estado e rapinaram nossas riquezas.     
 
Postar um comentário

obras do pac

obras do pac
inicio de obras ao lado do ciep ayrton senna